Como funciona a distribuição digital de música

Nos últimos anos, o mercado tem criado possibilidades e facilidades no que se refere à divulgação e comercialização de produtos e serviços por meio eletrônico, e essa evolução trouxe muitas vantagens para quem a utiliza – pessoas comuns ou empresas.

Para os artistas do meio musical, trouxe a oportunidade de divulgação e distribuição de suas músicas digitalmente com um custo acessível.

Conheça como funciona a distribuição digital de música

Hoje, no mercado de distribuição digital, há mais de uma centena de sites que oferecem este serviço, são as chamadas plataformas digitais ou streaming.

As plataformas, normalmente, são utilizadas em grande parte por músicos independentes, selos pequenos e médios, que têm limites ou não dispõem de muitos recursos financeiros para fazerem um investimento maior na carreira, diante de um mercado muito vasto. Esse é um dos fatores que fizeram com que esses serviços tivessem um crescimento grande e constante, pois além do baixo custo, a distribuição digital leva sua música a qualquer lugar do mundo, quebrando quaisquer barreiras e ampliando o mercado que poderá ser alcançado pelo artista.

A distribuição pode ser feita pelo próprio artista, porém, empresas especializadas em distribuição digital, como a Discmídia, fazem a distribuição das músicas do artista ou banda em várias plataformas, e permitem o acompanhamento da performance das músicas nas plataformas através de relatórios, etc.

Na distribuição, há duas maneiras de vender sua música nas plataformas digitais: por streaming e por download. Nas plataformas de streaming, como Spotify, Deezer, iTunes, Napster Tidal, o preço é flutuante e varia de acordo com a quantidade de execuções e com o tipo de usuário que escuta sua música. Se sua música estiver em uma lista de reprodução muito conhecida e acessada, seu rendimento será maior, e a possibilidade de crescimento e difusão das obras será grande. Já no download, as faixas de preço são estabelecidas de acordo com o tipo de lançamento.

Em algumas plataformas, cada faixa (single) pode custar aproximadamente de US$ 0,69 a US$ 1,29 ao consumidor. Para EPs (Extended Play – com menos faixas), no iTunes, por exemplo, o valor máximo é de aproximadamente US$ 4,95 e este valor também é o mínimo para a venda de álbuns e lançamentos com mais de 30 minutos de duração.

Depois que seu perfil de artista estiver criado e suas músicas estiverem disponíveis, criar suas próprias playlists nas plataformas também é uma ótima maneira de se conectar com os fãs no período entre o lançamento de um álbum e outro. Além disso, engaja novos e antigos admiradores de seu trabalho e permite reciclar seu catálogo musical, misturando músicas antigas com as novas.

O digital não só trouxe facilidade à produção e distribuição de música, mas também gerou uma série de desafios para o negócio, e criou uma revolução na capacidade de acesso a qualquer gênero musical. Em poucos cliques, podemos viajar do sertanejo ao rock ou da bossa nova às grandes orquestras clássicas.

Agora que você conhece um pouco mais sobre como funciona a distribuição digital de música, assine nossa newsletter e fique por dentro das últimas novidades do mercado da música.

Comentários

  1. Luciano disse:

    Gostaria de ter seus serviços

  2. Douglas de Oliveira disse:

    Interessante. Gostei de como funciona. Quero divulgar meu som nas plataformas digitais e precisava saber como funcionava. Muito obrigado.

    Agora, posso divulgar meu som novo e meu disco de 2008.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *